• Ícone Instagram
  • White Facebook Icon

© 2017 | OrdenArte - Organiza com Arte

Mídias

Personal Organizer: você ainda vai ter um!

July 18, 2017

 

 

Métodos inteligentes de organização colocam ordem na rotina de pessoas em busca de praticidade e mais qualidade de vida. Há de tudo neste mercado, até mesmo assistentes virtuais.

 

O caos em casa ou no ambiente de trabalho influencia diretamente a rotina, a prosperidade e o bem-estar. E quem nnao abre mão de uma vida equilibrada tem um aliado importante na hora de manter tudo em ordem: o personal organizer, também conhecido como “organizador de ambientes”, termo que não faz jus, nem de longe, à gama de funções desta atividade. Com mais de 300 desses profissionais em São Paulo, o personal organizer é responsável por otimizar espaços e rotinas.

 

“Organização é liberdade”, diz Ingrid Lisboa, fundadora da HO Home Organizer, em São Paulo. Consultora e palestrante, ela também oferece cursos que falam sobre a estreita ligação entre qualidade de vida e organização. “Tem gente que quase todos os dias leva horas só para achar um determinado objeto ou tomar determinada decisão. Esse tempo é precioso e poderia ter sido utilizado no lazer ou simplismente para relaxar”, explica.

 

Tida como referência quando o assunto é a organização, a palestrante é adepta dos ensinamentos da também organizer Marie Kondo, autora de A Mágica da Arrumação: a arte japonesa de colocar ordem na sua casa e na sua vida, best seller com mais de 2 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Ela é criadora do método KonMari, que dissemina a ideia de que, na vida, o ideal é ter o mínimo de coisas para poder focar no que realmente importa: você.

 

Para que isso seja possível, a autora defende o rompimento de diversas regras já consolidadas no universo da organização e sua experiência na área, além de, claro, explicar os fundamentos e como o seu método funciona. Porém, mais do que técnicas para organizar as gavetas, A Mágica da Arrumação nos ensina o quanto nossa casa, a nossa mesa de trabalho e o nosso estado de espírito estão interligados.

 

Para além das reflexões filosóficas, Marie nos apresenta dicas de organização muito singelas, baseadas em um conceito central: descartar e guardar. E algumas dicas, explica Ingrid Lisboa, são muito fáceis de adotar.

 

“Quando se reduz o volume dos pertences a uma quantidade com a qual se consegue lidar, vocie revitaliza sua relação com cada um deles. Jogar algo fora não é abrir mão das experiências vividas ou de sua identidade. por meio do processo de escolher somente aquilo que lhe dá alegria, você consegue definir com precisão seus gostos e suas necessidades”, relembra Marie Kondo em seu livro.

Mercado especializado

Claudia Pilli, referência brasileira quando o assunto é organização e sócia-fundadora e conselheira da Associação Nacional dos Profissionais de Organização e Produtividade (Anpop), explica que a organização, enquanto mercado, iniciou-se nos Estados Unidos há cerca de 34 anos, por meio da National Association of Professional Organizer (Napo) e hoje já reúne cerca de 4 mil membros. Já no Brasil, a primeira empresa voltada para esse mercado iniciou suas atividades 11 anos atrás.

Claudia conta que sempre foi organizada e que isso era uma cantagem, especialmente no âmbito profissional. E por isso, ao se tornar mãe, decidiu rever sua trajetória, pensar em novos objetivos e, assim, por indicação de uma amiga, viu que era possível transformar seu hobby em profissão. E foi assim que, em 2012, nasceu a Ordenarte, empresa que presta serviços de organização a residências e estabelecimentos comerciais.

Mas engana-se quem acha que profissionais como Claudia atuam apenas na organização de closets ou gavetas. “O personal organizer atua na forma personalizada, organizando espaços físicos ou virtuais, além de processos e contingências, como rotina de tarefas, mudança de residência, chegada de um bebê e até mesmo o luto. Um profissional desse tipo também está apto para treinar funcionárias domésticas, com o objetivo de melhorar a produtividade e uso de recursos, orientando as famílias quanto à organização de despensa e até mesmo de geladeira (que são, geralmente, principais fontes de desperdício em uma cozinha). Também podem auxiliar na divisão de tarefas familiares.

Uma das grande vantagens é facilidade: a contratação do serviço pode variar, podendo ser feita por hora, projeto ou dia. Os valores variam de acordo com o trabalho (por exemplo, número de dias contratados, custos específicos envolvidos, características do projeto etc.) mas, em média, uma hora de trabalho fica entre R$ 100,00 e R$ 150,00.

 

Auxílio virtual

E foi de olho na crescente demanda por esses profissionais que surgiram empresas investindo no lançamento de robôs domésticos e aplicativos que fazem as vezes de assistentes pessoais. Em São Paulo, a loja HomeUp (lojahomeup.com.br) tem uma seção dedicada aos robôs para limpeza, programados para eliminar o pó, limpar vidros e até a piscina. Os valores oscilam entre R$ 1.189,99 e R$ 7.149,35.

Mas calma, embora práticos e com design atraente, os robôs domésticos em nada se assemelham aos da família Jetsons, da famosa série de desenho da década de 1960, em que as personagens viviam em um mundo automatizado. Pelo menos ainda. As máquinas atualmente disponíveis para o mercado doméstico apenas auxiliam na organização da limpeza diária, fazendo a manutenção da limpeza pesada necessária uma vez por semana ou quinzenalmente, de acordo com o perfil de cada família.

Ainda assim, o interesse é grande. Tanto que, no Brasil, somente no ano passado, foram vendidos 5 mil robôs domésticos, de acordo com a Euromonitor, consultoria especializada em pesquisas de mercado. A previsão é de que, dentro dos cinco anos, esse número aumente para 13 mil itens.

É pouco, se fizermos um comparativo com o número de smartphones ou televisores vendidos no país, mas já é um avanço, considerado que um robô doméstico especializado em aspirar o pó, por exemplo, custa até dez vezes mais que um aparelho comum. O Roomba, da iRobot, que conta com câmera, navegação inteligente, escovas autolimpantes e conexão com o celular, oscila entre R$ 1.800 e R$ 6.000.

Os modelos vendidos pela HomeUp também contam com conexão inteligente, mas são da marca Ecovacs. Um dos que mais fazem sucesso é o Winbot, que deixa a superfície do vidro brilhante, graças ao alto poder de sucção que tem.

Além dos robozinhos, outras novidades no mercado de organização pessoal são as plataformas e aplicativos, que podem ser acessados pelo computador ou pelo celular. Sabe aquela ida ao supermercado que alguns homens e mulheres detestam ou simplesmente não tem tempo de fazer? Com o HomeRefill (homerefill.com.br), criada pelo paulistano Guilherme Aere dos Santos, é possível comprar e agendar entregas de vários itens, como detergentes, papel higiênico, alimentos, bebidas, produtos infantis e de pet shop, sem sair de casa e de forma programada: semanalmente, a cada quinze dias ou mensalmente. “Nosso objetivo é ser um assistente pessoal de consumo. se o produto precisa ser reposto, avisamos e fazemos isso, evitando preocupação com coisas tão básicas”, diz Santos.

Apesar das facilidade, há quem ainda culpe os valores para continuar com uma vida desorganizada. mas com uma infinidade de aplicativos já disponíveis, muitos deles gratuitos, essa desculpa não se mostra válida, como podemos ver nesta seleção de apps organizadores selecionada pela revista SETIN.

 

Compartilhe no Facebook
Please reload

Outras Mídias

Mala superlegal

November 22, 2017

1/4
Please reload